Trabalhos Científicos
XXVI Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica - Porto Alegre 2014

Melanoma Lentiginoso Acral- Cicatrização por segunda intenção

Tipo

Tipo: Mini-caso

Área: Cirurgia Oncológica

Autores

Autor

Tit.: Residente
Nome: LIVIA MENDES SABIA
Instit.: Hospital Universitário de Taubaté

Co-autor #1

Tit.: Residente
Nome: Bruna Ferrari
Instit.: Hospital Universitário de Taubaté

Co-autor #2

Tit.: Residente
Nome: Fernando Augusto Nogueira Mendes Tagliarini
Instit.: Hospital Universitário de Taubaté

Co-autor #3

Tit.: Residente
Nome: Beatriz Lopes Ferraz Elias
Instit.: Hospital Universitário de Taubaté

Co-autor #4

Tit.: Mestre
Nome: Érico Pampado Di Santis
Instit.: Hospital Universitário de Taubaté

Trabalho

Título

Melanoma Lentiginoso Acral- Cicatrização por segunda intenção

Resumo

O melanoma é o câncer mais comum que ocorre na região plantar. Afeta mais comumente negros e asiáticos, predomina entre a quinta e sétimas décadas de vida e não há predileção por sexo. Apresenta o pior prognóstico dos melanomas.
Apresenta-se clinicamente como pápula ou mácula irregular acastanhada ou enegrecida geralmente indolor. O diagnóstico clinico pode ser auxiliado pela dermatoscopia e o exame anatomopatológico e o padrão-ouro.
O tratamento cirúrgico do melanoma acral é um grande desafio, não somente devido a ressecção como também pela reconstrução. Relatamos o caso de um paciente com o diagnóstico de melanoma lentiginoso acral submetido a cirurgia e cicatrização por segunda intenção com ótimo resultado.
A ressecção adequada do melanoma da região plantar geralmente produz de produz defeitos que não podem ser fechados com sutura primaria. A cicatrização por segunda intenção é aceitável e evita que o enxerto com pele pigmentada, possibilitando o reconhecimento precoce da recidiva local do melanoma.

Descritores

Desc. 1: melanoma
Desc. 2: cirurgia oncologica
Desc. 3: segunda intenção

Trabalho

Introdução: O melanoma é o câncer mais comum que ocorre na região plantar. É uma neoplasia melanocitica rara que afeta mais comumente negros e asiáticos, e que apresenta o pior prognóstico dos melanomas. Predomina entre a quinta e sétimas décadas de vida e representa de 2 a 8% de todos os casos de melanoma sem predileção por sexo.
Apresenta-se clinicamente como pápula ou mácula irregular acastanhada ou enegrecida geralmente indolor. Pode evoluir para nódulo ou ulceração e gerar deformidade da lamina ungueal quando acomete a matriz ungueal.
A patogênese do melanoma lentiginoso acral permanece desconhecida. A principal hipótese é de que o trauma crônico e intenso em localização acral pode ser o principal fator desencadeante. Deve ser considerado como diagnóstico diferencial hematoma subungueal, melanoniquia estriada e onicomicose. O diagnóstico clinico pode ser auxiliado pela dermatoscopia e o exame anatomopatológico e o padrão-ouro.
O tratamento cirúrgico do melanoma acral é um grande desafio, não somente devido a ressecção como também pela reconstrução, já que o fechamento da ferida primaria é mais difícil nesta localização.
A excisão ampla do melanoma lentiginoso acral geralmente resulta em grandes defeitos. Varios métodos de reparação como retalho, enxerto e cicatrização por segunda intenção são usados para reparar esses defeitos.
Relatamos o caso de um paciente com o diagnóstico de melanoma lentiginoso acral submetido a cirurgia e cicatrização por segunda intenção com ótimo resultado.
Relato de caso: Paciente masculino, 56 anos, ajudante de serviços gerais, referia mancha no pé há 5 anos. Apresentava crescimento lento e progressivo da lesão, e nos últimos 5 meses evoluiu com alteração da coloração.
Ao exame dermatológico apresentava na planta pé esquerdo uma mácula enegrecida irregular (figura 1). Foram realizados exames laboratoriais e radiografia de tórax que não apresentavam anormalidades.
Foi realizado biópsia incisional e exame anatomopatológico (figura 2 e 3) que confirmou melanoma lentiginoso acral in situ. Subsequentemente foi feito biópsia excisional em faixa de toda extensão da lesão ( figura 4) e optado por fechamento da ferida primária por segunda intenção (figura 5 e 6)
Discussão: O melanoma acral é uma apresentação rara sendo muitas vezes sudiagnosticado levando a um atraso no diagnostico definitivo e tratamento.
O tratamento a ser realizado deve ser baseado na margem de ressecção com critérios oncológicos, informações do anatomopatológico, comprometimento funcional e estético. Margens insuficientes estão relacionadas a uma maior taxa de recidiva e menor sobrevida.
Geralmente ressecção adequada do melanoma lentiginoso acral geralmente produz defeitos que não podem ser fechados com sutura primaria com prejuízo na locomoção. Diversos estudos comparativos entre cicatrização por segunda intenção e a realização de enxertos cutâneos para reparo desses defeitos, encontrou melhores resultados cosméticos e funcionais com a segunda intenção. Portanto a cicatrização por segunda intenção é aceitável e evita o enxerto com pele pigmentada possibilitando o reconhecimento precoce da recidiva local do melanoma.

Imagens

Imagem #1:

Planta pé esquerdo mácula enegrecida irregular

Imagem #2:

H/E 100x. Proliferação lentiginosa de melanocitos atípicos.

Imagem #3:

H/E 400x. Proliferação lentiginosa de melanocitos com núcleos hioercromaticos e irregulares

Imagem #4:

Tumor após a exerese.

Imagem #5:

Pós operatório imediato.

Imagem #6:

1 semana após cirurgia.

Referências

1. Roh MR, Kim J, Chung KY. Treatment and outcomes of melanoma in acral location in Korean patients. Yonsei Med J 2010; 51:562–8.
2. Franke W, Neumann NJ, Ruzicka T et al. Plantar malignant melanoma - a challenge for early recognition. Melanoma Res 2000; 10:571–6.
3. Tseng JF, Tanabe KK, Gadd MA, Cosimi AB, Malt RA, Haluska FG, Mihm MC Jr, Sober AJ, Souba WW. Surgical management of primary cutaneous melanomas of the hands and feet. Ann Surg. 1997 May;225(5):544-50.
4. Ridgeway CA, Hieken TJ, Ronan SG, Kim DK, Das Gupta TK. Acral lentiginous melanoma. Arch Surg. 1995 an;130(1):88-92.
5. Oh BH, Lee SH, Nam KA, Lee HB, Chung KY. Comparison of negative pressure wound therapy and secondary intention healing after excision of acral lentiginous melanoma on the foot. Br J Dermatol. 2013 Feb;168(2):333-8